Contra o mundo, contra a vida
02/10/2005
O livro mais esperado deste ano na França, lançado em agosto, foi de Michel Houellebecq. "La Possibilité d'une Île" (A Possibilidade de uma Ilha, Fayard, 485 págs., 22 - R$ 59) foi manchete nas principais publicações da imprensa francesa. Para o jornal "Le Monde", é "sem dúvida o mais bem acabado de todos os seus romances".
O livro é um híbrido de ficção científica e crônica moral da sociedade, uma fantasia que aborda a clonagem humana e especula sobre o destino da humanidade. Dois mil anos no futuro, vivem Daniel24 e Daniel25, os clones de Daniel1. Este, o personagem principal, é um autor que ficou rico escrevendo histórias anti-semitas, misóginas e anti-árabes.
O livro aborda temas que já apareciam nos primeiros romances de Houellebecq, como a oposição entre ciência e espiritualidade e a exploração do lado mercantilista do sexo. Seu primeiro romance, "Extensão do Domínio da Luta", de 1994, lançado no Brasil pela ed. Sulina, aborda a decadência e o isolamento dos indivíduos nas sociedades de massa. Seu segundo romance, "Partículas Elementares" (Sulina), publicado em 1998, provocou polêmica e foi traduzido para 30 línguas. O livro é uma fábula cientificista pontilhada de comentários de ciência -da física quântica à biologia molecular.
"Plataforma", publicado pouco antes de 11 de setembro de 2001, termina com um atentado terrorista praticado por muçulmanos fanáticos. O livro foi acusado de fazer uma apologia do turismo sexual e retrata dois operadores do mercado de turismo que apostam na sistematização do turismo sexual. Trocam as gincanas à beira da piscina e os passeios ecológicos dos resorts de luxo pela liberação da prostituição. O livro causou forte reação de entidades contra a prostituição e a pedofilia.

(Folha de São Paulo - SP)
Link:

Voltar | Versão em PDF | Indicar

 

Os dados pessoais fornecidos pelos usuários do site www.editorasulina.com.br são assegurados pela seguinte Política de Privacidade